Conteúdo

Diretores de Escolas da Magistratura encerram encontro do Copedem com divulgação da Carta de Vitória

Diretores de Escolas da Magistratura encerram encontro do Copedem com divulgação da Carta de Vitória

COPEDEM 2dia 400
Foto: Divulgação Emes.

Foi encerrado no último sábado (13/12/2014), em Vitória (Espírito Santo), o XXXVIII Encontro do Colégio Permanente de Diretores de Escolas Estaduais da Magistratura (Copedem). O evento, que discutiu o ensino profissionalizante das Escolas e a sustentabilidade socioeconômica e cultural, teve início na quinta-feira, 11/12.

A Escola Superior da Magistratura do Ceará (Esmec) esteve representada no encontro por seu Diretor, desembargadro Haroldo Correia de Oliveira Máximo.

Na sexta-feira (12/12), o diretor da Escola da Magistratura do Estado do Espírito Santo (Emes), desembargador Samuel Meira Brasil Júnior, cumprimentou os presentes e comentou sobre a importância do trabalho do Copedem. “É um grande prazer recebermos todos os diretores aqui na cidade de Vitória para esse trabalho. As perspectivas e expectativas do trabalho do Copedem nos dão bastante esperança de que as Escolas da Magistratura têm um papel diferenciado na formação do magistrado, com perspectiva diferente daquela normal da academia”.

O presidente em exercício do Copedem, desembargador Marco Anthony Steveson Villas Boas, deu início ao debate nesta sexta, comentando sobre as Escolas de Magistratura e a formação profissionalizante. “O Judiciário trabalha por uma sociedade melhor, para que as pessoas sejam mais felizes, para que a gente preste um serviço melhor à comunidade. Estamos preocupados em formar professores para universidades, sejam estaduais, federais ou particulares. É importante a participação da magistratura dentro da academia para levar um pouco do Judiciário e da jurisdição para o conhecimento tanto dos professores quanto dos alunos”, frisou o desembargador.

O diretor-presidente da Escola Nacional da Magistratura (ENM), desembargador Cláudio Dell’Orto, ministrou palestra sobre o consequencialismo judicial e desenvolvimento sustentável, destacando também as dificuldades no ensino do Direito. “As deficiências no ensino jurídico acabam nos angustiando de uma forma enorme e isso é, talvez, o grande estímulo para que a gente supra as deficiências que se apresentam posteriormente no exercício da magistratura. Uma das questões que nós enfrentamos diariamente é a questão metodológica”, afirmou.

Já a Secretária Executiva da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), Maria Raimunda Mendes da Veiga, explicou aos presentes sobre o credenciamento de cursos de aperfeiçoamento pela Enfam. “Passou-se a exigir dos magistrados como critério objetivo de avaliação para promoção por merecimento a frequência aos cursos de aperfeiçoamento. Há a necessidade de que o magistrado faça os cursos e que os cursos sejam oficiais, reconhecidos e autorizados pela Escola Nacional. O credenciamento surge então para atender a esse comando constitucional”, destacou.

Ao final, os diretores das Escolas Estaduais de Magistratura aprovaram o calendário do Copedem para o ano de 2015 e, em seguida, elaboraram e assinaram a Carta de Vitória, que contém os seguintes termos:

I – A formação e aperfeiçoamento de magistrados e servidores deve ter persistência temática e caráter profissionalizante, com o objetivo de prestar uma jurisdição de qualidade célere e efetiva;

II – O estudo sobre o consequencialismo das decisões judiciais terá especial atenção nos cursos ministrados pelas Escolas de Magistratura;

III – A política de aperfeiçoamento funcional de magistrados e servidores deve proporcionar também o acesso aos cursos oferecidos por universidades estrangeiras;

IV – É desejável que a frequência dos cursos seja avaliada por critérios relacionados à prática profissional contextualizada, inclusive com estudos de caso;

V – A formação e o aperfeiçoamento devem ser focados na formação técnica e humanitária do magistrado ou para o comportamento da vida pessoal e social.

 

FONTE: site EMES.