Conteúdo

Começam as aulas presenciais do Curso de Mediação e Conciliação

Começam as aulas presenciais do Curso de Mediação e Conciliação

nailde 2A desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira, supervisora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (Nupemec/TJCE), fez a abertura, na manhã desta segunda-feira (05/05), do Curso de Mediação e Conciliação, que prossegue até quarta-feira, na Escola Superior da Magistratura do Ceará (Esmec).

O curso conta com cerca de 60 participantes. Teve início no dia 2 de abril, com aulas a distância. Após o módulo presencial na Esmec, será desenvolvida a última etapa do treinamento (Estágio Supervisionado), entre os dias 12 de maio e 12 de novembro deste ano.

A aula desta segunda-feira foi ministrada pelo coordenador do Nupemec, juiz Carlos Henrique Garcia de Oliveira, que falou sobre ética na conciliação/mediação. Em seguida, Adriana Albano (Chefe do Centro de Treinamento do Fórum Clóvis Beviláqua) e Mário Fillipe Cardoso de Abreu (Diretor do Nupemec) falaram sobre métodos alternativos de solução de conflitos. Participou também da aula a psicóloga Gleiciane Van Dam.

.

nailde 1IMPORTÂNCIA DO CURSO

A desembargadora Nailde Pinheiro explicou que o curso de Mediação não é útil apenas por aumentar os conhecimentos dos participantes, mas também por ampliar o círculo de amizades, “tornando-os pessoas diferentes, até mesmo pelas mensagens que vão receber. Precisamos trabalhar nosso lado psicológico, intelectual, emocional. Sabemos o quanto é difícil a convivência humana, que acaba nos deixando levar por inquietações…Nesse curso, dominamos essas emoções. Todos nós temos problemas, mas precisamos administrar esses problemas”.

A supervisora do Nupemec disse esperar que os cursistas saiam fortalecidos. “Quem se propõe a fazer o curso de Mediação está disposto a adquirir mais bagagem. Está ciente de que ele será útil para sua vida. Precisamos, nós servidores e demais funcionários da Justiça estadual, ir ao encontro do que o Poder Judiciário coloca à nossa disposição”, afirmou a magistrada.